Sobre nós

Orgãos Sociais 2017-2018

 

  • Assembleia Geral

    Presidente - Fernando dos Santos Antunes
    Vice-Presidente - José Carlos Fernandes dos Reis
    1º Secretário - Maria Ermelinda Mendes Godinho de Sousa
    2º Secretário - Fernando Filipe
    1º Suplente - Urbano Nunes
    2º Suplente - José dos Reis

  • Direcção

    Presidente - António José Reis Madeira Roque
    Vice-Presidente - Joana Rita Palrinhas Francisco
    1º Secretário - Jorge Carlos Antunes Pereira
    2º Secretário - Alexandre Gonçalo Cruz Ferreira Santos
    Tesoureiro - Ângelo Ferreira Girão de Seiça
    1º Vogal - Comandante em Exercício (Raul José Castro de Vasconcelos)
    2º Vogal - João António Silva Mendes
    1º Suplente - Alfredo Manuel Mendes Simões
    2º Suplente - Pedro Tiago Fonseca Mendes
    3º Suplente - Paulo Miguel Lourenço dos Santos

  • Conselho Fiscal

    Presidente - José Augusto de Jesus Martinho Fernandes
    Vice-Presidente - Teresa Maria Ramos Mendes
    Secretário Relactor - Rosa Maria da Costa Loureiro
    1º Suplente - Luís Manuel Balão Fernandes
    2º Suplente - José Manuel Pimenta Gomes

Breve Historial – Da fundação aos dias de Hoje

Penela situa-se no Distrito de Coimbra, sendo o Concelho mais a sul deste Distrito. Encontra-se na proximidade de algumas vias principais, como sejam a EN1 e A1 (a 18 Km), o IC8 (a 15 Km), situando-se junto do IC3. É uma região ocupada por algumas formações montanhosas destacando-se parte dos maciços das Serras da Lousã e de Sicó. A ocupação do solo varia um pouco ao longo da sua área, no entanto, é de destacar a área florestal que representa cerca de 50% do Concelho. A agricultura e a pastorícia são sectores que ocupam, ainda hoje, algumas áreas. Contudo, ambos são explorados a nível de uma economia doméstica e de subsistência, até porque, a grande divisão do solo inviabiliza a mecanização destes sectores. As indústrias alimentares, de confecções ou ligadas à construção, têm também alguma expressividade, tratando-se sempre de indústrias de pequena / média dimensão.

Penela tem uma população de aproximadamente 6500 habitantes, que se distribui por 6 Freguesias: Cumeeira, Espinhal, Podentes, Rabaçal, Santa Eufémia e São Miguel.

Foi a densa mancha florestal existente no Concelho, com principal destaque para a Serra do Espinhal e para grande parte da Freguesia de Podentes, que constituiu um dos motivos impulsionadores para a criação de uma Corporação de Bombeiros.

A prestação de auxílio no transporte de doentes também era uma valência que urgia implementar na região. Estávamos no final da década de 70, altura em que a maioria da população ainda não dispunha de transporte próprio, não existia nenhuma instituição a nível local que prestasse este tipo de serviço, os transportes públicos eram escassos e não chegavam a todas as povoações. Numa situação de emergência nesta área, o chegar ao Centro de Saúde local ou ao Hospital mais próximo era tarefa difícil, muitas vezes com necessidade do auxílio de Instituições fora do Concelho.

Os motivos para a constituição de uma Corporação de Bombeiros eram óbvios, mas eram poucos os que acreditavam na consistência de um projecto arrojado, como o de criar uma Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários no Concelho de Penela. Apesar da descrença de alguns, mas com o empenho de muitos, ficou provado com o tempo, que, o bom povo de Penela e muitos outros, passaram a beneficiar de uma instituição de utilidade pública que zela pela segurança e pelos interesses das pessoas e dos seus haveres.

Noutros tempos eram os soldados da GNR, vestidos de fato-macaco, e alguns populares, principalmente estes últimos, que praticavam verdadeiros actos heróicos frente às chamas, isto porque nesse tempo os fogos florestais eram a grande preocupação.

Movidos pelo espírito de solidariedade que é apanágio dos soldados da paz, lá iam, no primeiro carro que aparecia, quase sempre liderados pelo grande José Freire dos Reis, que veio a ser o mentor, um dos fundadores, e que se empenhou totalmente na criação do corpo de bombeiros.

Entre 1973 e 1976, com os Verões bastante quentes, começaram a aparecer os fogos florestais no concelho de Penela nomeadamente na Camela e na zona norte entre Podentes, Podentinhos e Carvalhal. Neste último estiveram presentes os Bombeiros de Ansião, comandados pelo Comandante Paz, combatendo o fogo apenas com batedores e ramos de árvores, ajudados pela população e extinguindo-o após largas horas de luta.

Na altura foi proposto ao Municipio, então liderado pelo Engenheiro Coelho e Silva, a necessidade da formação de um corpo de Bombeiros Voluntários em Penela, pois era um dos poucos concelhos do distrito de Coimbra (juntamente com Mira) onde não existia nenhum. Esta proposta viria a ser aceite por unanimidade, tendo inclusive o Presidente oferecido o seu veículo automóvel aos Bombeiros, que acabou por nunca ser entregue.

Foram contactadas pessoas ligadas a diversos Corpos de Bombeiros, como por exemplo o Comandante Carvalho de Pombal (filho deste concelho) e o Comandante Beloto de Condeixa que facultaram aos mentores deste projecto vários modelos de estatutos.

Em 26 de Novembro de 1979, realizaram uma reunião no Castelo de Penela, tendo como convidados o Padre Paiva, o Sr. Santos, despachante alfandegário em Lisboa, o Comandante dos Bombeiros Voluntários da Ajuda e o Dr. João Ramos. Nessa reunião ficou deliberada a ida, à Liga dos Bombeiros Portugueses em Lisboa, para auscultar a sua opinião sobre os diferentes modelos de estatutos, de modo a viabilizar e homologar a criação de uma Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários.

Depois dessa consulta foi efectuada a primeira reunião constitutiva em casa do Dr. João Ramos, tendo sido convidados para ela vários valores da nossa terra. Dessa reunião saiu a primeira Direcção da Associação, tendo como Presidente o Dr. João Ramos, viabilizando a criação do corpo activo, tendo seguido para a Liga a cópia da acta da constituição, que por sua vez a enviou à Federação dos Bombeiros do distrito de Coimbra para votação. Aí obteve a maioria dos votos, apenas se abstendo Condeixa, que na altura já andava a dar instrução ao primeiro grupo de homens que iriam fazer parte do Corpo activo. Na reunião do mês seguinte tudo se modificou, tendo a decisão sido tomada por unanimidade e após 3 meses de instrução foi oficialmente homologada a criação do Corpo de Bombeiros Voluntários de Penela.

Depois de todas as demandas burocráticas necessárias, no dia 19 de Setembro de 1980 foi oficialmente constituída a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Penela.

Para iniciar os primeiros serviços foi emprestada, para a área de saúde, uma ambulância dos Bombeiros da Lousã, mais tarde devolvida, a Santa Casa da Misericórdia de Penela, emprestou uma que estava parada havia algum tempo.

Para o combate a incêndios foi adquirida a viatura Baribbi (Iveco), tendo para o efeito sido realizado um cortejo de oferendas com a finalidade de obter receitas para o seu pagamento.

As instalações do Clube Desportivo e Recreativo Penelense, cedido gratuitamente, foram o primeiro Quartel dos Bombeiros Voluntários de Penela.

De 1981 a 1988 os Bombeiros Voluntários de Penela tiveram a sua sede, embora provisória, nas instalações do Clube Desportivo e Recreativo Penelense, à qual foram feitas algumas adaptações de modo a permitir uma melhor funcionalidade e operacionalidade. Uma delas foi a construção do telheiro de modo a abrigar algumas das viaturas, a outra foi a restauração das instalações que se encontravam algo degradadas pela utilização.

Durante este período a Associação adquirido dois veículos novos o PSN-01 (Baribbi) e PSN-02 (Toyota) sendo os restantes veículo usados, uns emprestados outros oferecidos.

Em Dezembro de 1983, dois bombeiros de Penela, Urbano Nunes e Mário Girão, são agraciados com a condecoração Grau Ouro Bombeiros do Ano, pelo acto de coragem que tiveram ao resgatar o equipamento e criar uma zona de segurança para o PSN-2 (Toyota) que tinha sofrido um acidente no incêndio da serra do Espinhal em Setembro de 1983.

Como se queria o melhor para todos, nasceu a ideia da construção de um novo Quartel, encetando-se desde cedo negociações com a Câmara Municipal de Penela, que acedeu a garantir o terreno e o projecto.

Um marco importante na história da Associação foi a construção de sede própria, realização de um sonho que vinha desde a sua constituição.

Em 4 de Setembro de 1988 inauguraram-se as novas instalações, foi um dia de festa para os Penelenses. Estiveram presentes algumas centenas de pessoas, bem como diversas entidades oficiais, de destacar o Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Administração Interna, Dr. Branquinho Lobo, o Governador Civil de Coimbra, o representante do Serviço Nacional de Bombeiros, o Presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, os Presidentes das Câmaras Municipais de Penela e Miranda do Corvo, o representante do Bispo de Coimbra, o representante da Federação de Bombeiros da Zona Centro, entre muitos outros. Foi também altura para realizar mais um cortejo de oferendas, com objectivos de angariar verbas para suprir necessidades a vários níveis: equipamentos, viaturas, fardamento, entre outros.

Com a mudança, em Setembro de 1988 para o novo Quartel, as condições de trabalho melhoraram imenso, e consequentemente as exigências aumentaram. Para lhes fazer face, o nosso Comando e Direcção, intercederam junto do Serviço Nacional de Bombeiros para “fornecer” ou apoiar aquisição de alguns veículos mas, ou devido à interioridade ou à falta de “visibilidade”, apenas foi atribuído um veículo (VLCI-01), que entrou ao serviço na altura da inauguração do quartel.

Em 1993, a Associação Humanitária dos Bombeiros de Penela viraram mais uma página da sua vida, um dos seus fundadores e Comandante durante 13 anos, José Freire dos Reis passa ao Quadro de Honra dando lugar ao seu sucessor e filho, José Carlos Fernandes Reis.

Desde esse ano até 1995, as únicas viaturas a entrar ao serviço, VTPT-01, VCOT-01 e VFCI-05, foram adquiridas pela nossa associação sem apoios do estado.

Em 1996, recebemos do Serviço Nacional de Bombeiros o VFCI-06, um veículo inadequado para a nossa área operacional.

Em 2001, a Associação foi agraciada com a Medalha de Honra de Prata do Município.

Já em 2003, após um verão bastante complicado a Associação recebe um Louvor do Município de Penela. Ainda neste ano voltamos a virar outra página na história da Associação, o Comandante José Carlos Fernandes Reis assume a presidência do município de Penela passando o testemunho ao Comandante Raul Vasconcelos.

A experiencia de gestão e liderança do Comandante Raul Vasconcelos, aliada ao apoio dado pelo governador civil, na altura o Dr. Fernando Antunes, e pelo apoio do município, foi possível iniciar a renovação e reforço da frota de veículos, obras de melhoramento no quartel e aquisição de equipamento de protecção individual, entre outros.

Em 2004, concretizamos mais dois objectivos ambicionados alguns anos, aquisição de um VSAT e a criação pelo INEM de um Posto PEM neste Corpo de Bombeiros e atribuição de uma ambulância emergência.

O ano de 2005 começa bem e termina mal. Aquisição do VFCI-08 foi uma grande conquista, que foi possível com o apoio do estado e do município, no entanto em pleno Agosto nos incêndios da Pampilhosa da Serra perdemos um veículo, VRCI-04, e quase perdemos a sua tripulação acabando por saírem apenas com pequenos ferimentos e um grande susto.

Não nos dando por vencidos conseguimos em 2006, colocar ao serviço o VFCI-04 e VFCI-09, assim como aquisição do VCOT-02. Com estes meios o corpo de bombeiros ficou com uma excelente frota de combate a incêndios.

Entramos na segunda fase do nosso projecto, a renovação das ambulâncias e simultaneamente a melhoria da qualidade dos serviços prestados nos transportes de doentes.

O Plano Estratégico 2007 – 2010, traçou-nos os caminhos que ainda hoje estamos a percorrer. A nova gestão dos serviços permitiu que a Associação entre o ano 2007 e 2009, adquire-se com fundos próprios 5 ambulâncias novas devidamente equipadas, a formação dos recursos humanos e ainda a obtenção da certificação de qualidade dos nossos serviços.

A adopção de um correcto Sistema de Gestão da Qualidade foi uma decisão estratégica e voluntária, dos Bombeiros de Penela, que permitiu dar mais um passo para atingir o objectivo principal: ser uma corporação de excelência no serviço à comunidade, acabando por nos tornarmos pioneiros no panorama nacional, na questão da Certificação da Qualidade.

Mais formação, mais profissionalismo, mais dedicação é um compromisso assumido por todos pela melhor Qualidade dos nossos serviços. Qualidade esta que foi reconhecida em 2009, pela APCER com a obtenção da Certificação Internacional ISO 9001/2008 nos serviços Administrativos e de Transporte de Doentes.

Estatutos

Estatutos em revisão conforme o artigo 51º da Lei 32/2007 do Regime Jurídico das Associações Humanitárias dos Bombeiros.

Funcionários

 

  • Funcionários da Associação em Janeiro 2017

    2º Comandante António Lima

    Adjunto Vítor Gomes

    Chefe Joaquim Santos

    Chefe Marco Santos

    Subchefe Jorge Figueiredo

    Subchefe Arménio Santos

    Subchefe Graciete Rodrigues         

    Bombeiro 1ª Silvina Rodrigues

    Bombeiro 1ª José Carlos Teixeira

    Bombeiro 1ª Luís Varandas

    Bombeiro 2ª Ventura Cristóvão

    Bombeiro 2ª António Rodrigues

    Bombeiro 2ª Miguel Fernandes

    Bombeiro 2ª Andrew Thomas

    Bombeiro 2ª Liliana Santos

    Bombeiro 2ª Victor Antunes

    Bombeira 2ª Ricardo Nico

    Bombeiro 3ª Ricardo Cancela

    Bombeiro 3ª Ricardo Silva

    Bombeiro 3ª Ricardo Santos

    Bombeiro 3ª Ruben Medina

    Bombeiro 3ª Sérgio Simões

    Bombeiro 3ª Rita Palaio

    Bombeiro 3ª Arménio Ramos

    Especialista Maria da Luz

 

Estágios Profissionais

Bombeiro 3ª Márcio Ramalho

Bombeiro 3ª Diogo Ferreira

 

Pessoal